"Red Hill é um apocalipse zumbi com direito a adrenalina e romance"
Preloader

Jamie McGuire é uma das minhas autoras favoritas, simplesmente devorei os livros dela da saga dos Irmãos Maddox em Belo Desastre e suas sequências. Há uns dois anos, li pela primeira vez Red Hill, confesso que quando vi a sinopse fiquei um pouco preocupada se a autora iria conseguir sair das tramas amorosas para um apocalipse zumbi, mas paguei a língua da melhor maneira possível, Jamie nos insere num universo totalmente diferente e com uma naturalidade tão grande que me fez pensar por dias em possíveis locais de refúgio e formas de salvar quem amo de um apocalipse zumbi.

Nessa narrativa temos três personagens principais, Scarlet uma técnica de raio-x, mãe solteira de duas meninas, Jenna e Haley, que se vê no meio do hospital em que trabalha, quando os primeiros casos de zumbis começam a surgir. A grande questão em relação a Scarlet é que justamente nesse dia suas filhas iriam para a casa do pai em uma cidade vizinha, portanto quando o mundo vira um caos sem acesso a linhas telefônicas e estradas interditadas, Scarlet se vê separada de suas filhas e o livro se baseará na busca desesperada e emocionante de uma mãe por suas filhas. Com certeza, Scarlet é uma das personagens mais fortes que Jamie já escreveu.

Nathan faz o estilo bom moço, o cara que no ensino médio foi o mais popular, mas que mesmo assim era bonzinho, casou-se com a namorada da escola e formavam o casal perfeito, até a gravidez e nascimento de Zoe, quando sua esposa tornou-se uma mulher fria e distante (tanto dele, quanto da pequena da filha), Nathan torna-se então um super-pai, no dia do apocalipse é abandonado pela esposa e se vê tendo que cuidar de sua filha de 5 anos, que possui uma certa obsessão por organização, coisa bem difícil de manter no atual cenário.

E por fim temos Miranda, filha mimada de um médico que está viajando com sua irmã Asheley (ainda mais mimada) e seus respectivos namorados Bryce e Cooper para o rancho do pai quando são pegas pela invasão zumbi, Miranda apesar de mimada é ainda uma personagem forte, que cuida da irmã e se preocupa verdadeiramente com o bem-estar de outros personagens.

O interessante neste livro é o fato de que tudo acontece simultaneamente entre os três personagens principais, e conseguimos observar como cada um reage ao fim do mundo. Jamie destaca muito mais a questão emocional do que o cenário e acho isso incrível, porque me fez imaginar como eu reagiria, se ficaria travada sem conseguir raciocinar, se iria para cima dos zumbis e tentaria matar quantos pudesse ou se conseguiria fugir por tempo suficiente para que encontrassem uma solução.

Outra coisa que gostei bastante foi como um personagem cruzou com o outro, como haviam pontes entre eles que só depois viemos a descobrir.

E tratando-se de Jamie, não da para esquecer a parte romântica, e apesar de ser um ambiente nada propício para que este sentimento ocorra, é do caos que nasce a paz, e muitos personagens secundários entram na trama para trazer um alívio e um pouco de amor, tornando-se tão importantes quanto os principais, como acontece com Skeeter e Jill.

No mais, o final do livro é um pouco abrupto, acho que a autora poderia ter explorado mais um pouco, e também a questão dos próprios zumbis, poderia ter mais cenas de ação, com um pouco mais de perigo, mas nada disso desmerece esse livro.

Revisado por: Bruna Vieira.

About the Author

Estudante de Publicidade e de Letras, bookaholic, apreciadora de séries e viciada em café.

%d blogueiros gostam disto: