Crítica - Negação (Denial)
Preloader

Baseado em fatos que foram vividos e posteriormente narrados por Deborah E. Lipstadt no livro homônimo lançado pela Editora Universo dos Livros, esse filme levanta uma grande questão sobre a liberdade de expressão.

De um lado temos Deborah Lipstadt (Rachel Weisz – O Legado Bourne), judia e historiadora sendo processada por difamação. Do outro temos David Irving (Timothy Spall – Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban), também historiador, que nega a existência do Holocausto e acusa Lipstadt de chamá-lo de denier (algo como negador, o que no contexto soa de forma pejorativa).

O processo corre na corte inglesa e lá a justiça é diferente da americana que estamos acostumados a ver nos filmes, lá a acusada deve provar sua inocência. E uma das questões levantadas por Irving é que não temos registros fotográficos das câmaras de gás onde os Judeus eram mantidos e mortos, além da falta de um documento que comprove que Hitler havia ordenado a execução nas câmaras de gás de Auschwitz. De uma acusação de injuria para a confirmação de que o holocausto aconteceu.

O filme transcorre entre o tribunal no jogo de defesa e acusação, e também nas estratégias em que os advogados de defesa estruturam o caso. É particularmente impressionante a maneira como eles conseguiram separar o lado emocional do racional em um assunto que gera tanta comoção.

A fotografia é impecável, teve um momento em que Deborah e sua equipe de advogados estão em Auschwitz e está tudo nublado, e ela começa a chorar, quando a câmera corta a cena do rosto dela para mostrar uma cerca de arame farpado em que o orvalho escorre parecendo uma lágrima, essa cena foi impactante para mim, no momento associei a tristeza daquele lugar, a quantidade de vidas que foram ceifadas e a dor que uma judia devia estar sentindo ao estar ali.

A história apesar de se passar há quase 30 anos, ainda é muito atual, já que vivemos um momento em que há uma liberdade de expressão muito grande, temos as redes sociais a nossa disposição para falarmos o que quisermos, nos identificando ou não. Além disso, há um sentimento de impunidade, já que tão poucos casos de injurias online são devidamente analisadas e punidas dentro da lei.

Definitivamente não é um filme para se assistir apenas uma vez.

Negação, já está nos cinemas.

Nota: 4/5

Revisado por: Bruna Vieira.

About the Author

Estudante de Publicidade e de Letras, bookaholic, apreciadora de séries e viciada em café.

%d blogueiros gostam disto: